Zema diz que governo federal negou suspensão da bandeira de escassez hídrica na conta de luz

Aranãs FM

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, usou seu perfil no Twitter para dizer que o Ministério de Minas e Energia negou o seu pedido de suspensão da bandeira de escassez hídrica na conta de luz no estado. A declaração foi dada na manhã desta quinta-feira (27).

Segundo Zema, o pedido foi feito para tentar aliviar os gastos, isso motivado “nãos somente pelos efeitos da pandemia, mas também pelos graves impactos recentes das chuvas no Estado”.

Em coletiva de imprensa na manhã desta quinta, para tratar da pandemia, o governador criticou o entendimento de que ainda há um período de escassez hídrica: “Com relação à bandeira tarifária, ela prevê esse tipo de tarifa durante o período de escassez hídrica. Pelo menos em MG entendemos que essa escassez hídrica já passou, estamos até com um excesso hídrico”.

No último dia 13, o governador solicitou ao Ministério de Minas e Energia a suspensão da tarifa. A bandeira tarifaria de escassez hídrica, que cobra R$ 14,20 a cada 100 quilowatt/hora consumo, foi determinada no fim de agosto do ano passado para custear gastos “excepcionais” de acionamento de usinas térmicas e importação de energia.

A nova bandeira, que passou a valer em 1º de setembro de 2021, foi determinada pela Câmara de Gestão Hidroenergética e aplicada pela Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e está programada para vigorar até 30 de abril deste ano.

A tarifa é quase R$ 5 mais cara que a bandeira vermelha cobrada anteriormente, no valor de R$ 9,492 por 100kWh consumido.

Bandeiras

O valor das bandeiras é definido anualmente pela Aneel e conta com quatro critérios:

  • Bandeira Verde: não traz acréscimo ao valor;
  • Bandeira Amarela: acréscimo de R$ 1,874 por 100 kWh consumido, para condições menos favoráveis de geração de energia;
  • Bandeira Vermelha: patamar 1 – acréscimo de R$3,971 por 100 kWh consumido / patamar 2 – acréscimo de R$ 9,492 por 100 kWh consumido.

 

Por Ana Paula Tinoco *com trechos de matéria do G1

Deixe seu comentário:

Next Post

Proposta de Minas é aprovada e congelamento da base de cálculo do ICMS dos combustíveis será mantido até 31/3

  O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne as secretarias de Fazenda dos estados e do Distrito Federal, aprovou por unanimidade, na manhã desta quinta-feira (27/1), o convênio proposto por Minas Gerais que prorroga por 60 dias o congelamento da base de cálculo do ICMS dos combustíveis, o […]