CNBB cobra punição após deputado bolsonarista chamar Papa e Arcebispo de ‘pedófilos safados’

Aranãs FM

Deputado estadual Frederico D’Ávila (PSL) durante discurso na Alesp (Mauricio Garcia de Souza/Alesp/Divulgação)

Frederico D’Ávila do PSL de São Paulo chamou o Papa Francisco e o arcebispo de Aparecida do Norte, Orlando Brandes, de “pedófilos safados” e vagabundos, no último dia 14. O deputado estadual, que é bolsonarista, proferiu os xingamentos durante discurso na Assembleia, os ataques são devido ao pronunciamento feito pelo arcebispo do dia 12 de outubro, em que o religioso defendeu um país sem armas e sem ódio.

“Seu safado da CNBB dando recadinho para o presidente [Bolsonaro], para a população brasileira, que pátria amada não é pátria armada. Pátria amada é a pátria que não se submete a essa gentalha”, disse o deputado.

E não parou por aí, D’Ávila continuou os ataques. ““Seu vagabundo, safado, que se submete a esse papa vagabundo também. A última coisa que vocês tomam conta é do espírito, do bem-estar e do conforto da alma das pessoas. Você acha que é quem para ficar usando a batina e o altar para ficar fazendo proselitismo político? Seus pedófilos safados, a CNBB é um câncer que precisa ser extirpado do Brasil”.

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) enviou uma carta ao presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo pedindo punição pelos ataques.

Por meio de carta aberta, a CNBB pede punição para o parlamentar. Vale lembrar, que ele é o mesmo que propôs que fosse feita uma homenagem na Assembleia de São Paulo ao ex-presidente chileno Augusto Pinochet, que foi um dos ditadores mais cruéis da América Latina.

Leia a carta da CNBB na íntegra:

Exmo. Sr.
Deputado Estadual Carlão Pignatari
Presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo
Cidadãos e cidadãs brasileiros

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, nesta casa legislativa e diante do Povo Brasileiro, rejeita fortemente as abomináveis agressões proferidas pelo deputado estadual Frederico D’Avila, no último dia 14 de outubro, da Tribuna da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Com ódio descontrolado, o parlamentar atacou o Santo Padre o Papa Francisco, a CNBB, e particularmente o Exmo. e Revmo. Sr. Dom Orlando Brandes, arcebispo de Aparecida. Feriu e comprometeu a missão parlamentar, o que requer imediata e exemplar correção pelas instâncias competentes.

Ao longo de toda a sua história de 69 anos, celebrada no dia em que ocorreu este deplorável fato, a CNBB jamais se acovardou diante das mais difíceis situações, sempre cumpriu sua missão merecedora de respeito pela relevância religiosa, moral e social na sociedade brasileira. Também jamais compactuou com atitudes violentas de quem quer que seja. Nunca se deixou intimidar. Agora, diante de um discurso medíocre e odioso, carente de lucidez, modelo de postura política abominável que precisa ser extirpada e judicialmente corrigida pelo bem da democracia brasileira, a CNBB, mais uma vez, levanta sua voz.

A CNBB se ancora, profeticamente, sem medo de perseguições, no seguinte princípio: a Igreja reivindica sempre a liberdade a que tem direito, para pronunciar o seu juízo moral acerca das realidades sociais, sempre que os direitos fundamentais da pessoa, o bem comum ou a salvação humana o exigirem (cf. Gaudium et Spes, 76).

Defensora e comprometida com o Estado Democrático de Direito, a CNBB, respeitosamente, espera dessa egrégia casa legislativa, confiando na sua credibilidade, medidas internas eficazes, legais e regimentais, para que esse ultrajante desrespeito seja reparado em proporção à sua gravidade – sinal de compromisso inarredável com a construção de uma sociedade democrática e civilizada.

A CNBB, prontamente, comprometida com a verdade e o bem do povo de Deus, a quem serve, tratará esse assunto grave nos parâmetros judiciais cabíveis. As ofensas e acusações, proferidas pelo parlamentar – protagonista desse lastimável espetáculo – serão objeto de sua interpelação para que sejam esclarecidas e provadas nas instâncias que salvaguardam a verdade e o bem – de modo exigente nos termos da Lei.

Nesta oportunidade, registramos e reafirmamos o nosso incondicional respeito e o nosso afeto ao Santo Padre, o Papa Francisco, bem como a solidariedade a todos os bispos do Brasil. A CNBB aguarda uma resposta rápida de Vossa Excelência – postura exemplar e inspiradora para todas as casas legislativas, instâncias judiciárias e demais segmentos para que a sociedade brasileira não seja sacrificada e nem prisioneira de mentes medíocres.

Em Cristo Jesus, “Caminho, Verdade e Vida”, fraternalmente,

Brasília-DF, 16 de outubro de 2021″

Deixe seu comentário:

Next Post

Band fecha acordo com humorista Leandro Hassum

Leandro Hassum, após três anos longe da TV aberta, seria a nova aposta da Band. O humorista, conhecido por seus trabalhos na TV Globo, não faz mais parte da emissora desde 2019. De acordo com o site Notícias da TV, o canal fechou um acordo com Hassum e o contrato […]